August 17, 2021
From World Peace Council
105 views

Solidarity with the Cuban Revolution and people was heard loudly on the
15th., near the Cuban embassy in Lisbon. At the concentration, promoted
by the CPPC in partnership with the CGTP-IN and AAPC-the Portugal-Cuba
Friendship Association (joined by other organisations), denounced the
blockade and the instrumentalization of the problems created by it to
destabilise Cuba and pave the way for new and more serious attacks
against its sovereignty and the living conditions of its people.

In the speeches by Gustavo Carneiro (CPPC), Libério Domingues
(CGTP-IN), Eduardo Fonseca (AAPC) and Simão Bento (from Associação
Projeto Ruído) valued the solidarity that Cuba provides to peoples all
over the world, namely, but not only, in terms of medical care, refuted
the lies conveyed by most media, which go as far as showing images of
other countries as if they were from Cuba or deliberately confusing mass
demonstrations in defence of the Revolution as if they were protests .

«Cuba Yes! Blockade No” and “Cuba Will Win” were some of the
slogans chanted.

SPEECH BY CPPC

Cuba is not alone! How could a people and a Revolution that gave and
gives so much to the peoples of the world? How could someone be alone
when, over the last six decades, it made solidarity, friendship and
cooperation the day-to-day of its foreign policy?

The peoples of Angola and South Africa, whose freedom and independence
were defended and achieved with the decisive help of Cuba say so; the
thousands of Venezuelans and Bolivians taught literacy by Cuban teachers
say so, the children of peasants and workers, so many grandchildren of
slaves, who on the socialist island became doctors, scientists,
engineers; the inhabitants of Sierra Leone, Liberia and Equatorial
Guinea say so, who during the serious epidemics of Ebola had Cuban
doctors at their side, and only they; or the Italians who, at the peak
of the COVID-19 epidemic, and in the face of the collapse of their
health system, counted on the quick, efficient and decisive intervention
of the Henry Reeve Cuban Medical Contingent. The revolutionaries all
over the world say so, persecuted in their countries and who have always
found there a solidary welcome and a place they could call home. And so
many other examples that we could give…

No, Cuba is not alone, it will never be alone!

Cuba will win! In fact, Cuba wins every day, since more than 60 years
ago it dared to take a sovereign, dignified and courageous path. Before
the January 1959 Revolution, Cuba was a huge brothel, a huge casino,
where American millionaires and mobsters amused themselves. Today, it is
a free country, with high levels of human development, making many
so-called developed countries blush in shame.

In Cuba, unlike most countries in Latin America and in the Caribbean, no
one sleeps on the streets, there are no children scavenging garbage to
survive, health care is for everyone, education is widespread, childhood
and old age are protected: life expectancy at birth is one of the
highest in the world, medicine is highly developed (despite the enormous
shortages caused by the blockade), university education rate is
impressive.

Obviously, nothing that has just been said hides the difficulties and
shortcomings caused by an economic, commercial and financial blockade
– illegal, immoral and criminal that has lasted for 60 years – added
to the effects of the pandemic. A blockade that intends to starve a
people as a form of collective punishment, as a political weapon. A
blockade that makes the procurement of aspirin, ventilators or surgical
masks a real epic; which significantly increases the cost of fuel
supply, which prevents Cuban children from having access to medication
or medical treatment. Yes, the blockade kills and criminals have a name:
US imperialism, successive administrations – including those of Trump
and Biden – and those who support it!

We have witnessed this picture before and we know its outcome. We are
well aware of the meaning of false humanitarian and liberating aid from
the United States of America. The peoples of Iraq and Libya know this
even better, States that had high levels of development and that after
this same so-called aid, this same liberation, are today faced with
poverty, misery, the absence of rights. The peoples of Brazil, Chile,
Argentina, Bolivia, Paraguay, Honduras, Nicaragua know it too well, who
do not forget the times of the sinister Operation Condor, the tortures,
the murders, the thousands who simply disappeared, but also the savage
neoliberalism that followed and the social devastation it caused. All
supported, prepared and organised by the United States of America.

Or, more recently, the coups in Paraguay, Bolivia, Brazil, Honduras, the
blockade against Venezuela, the destabilisation in Nicaragua. For US
imperialism, Latin America is its backyard, its property.

The script is always the same: the economic encirclement is tightened,
the difficulties caused by it are heightened, the information is
manipulated and the so-called solution is presented – coup,
humanitarian intervention, invasion. Always and always wrapped up in
beautiful words – democracy, freedom, human rights, precisely what the
brutality of interference and aggression disrespects and violates.

Cuba has resisted the US blockade for over 60 years, defeated mercenary
invasions, faced acts of terrorism, sabotage and a thousand and one
provocations, dismantled numerous attempts to assassinate its leaders,
in particular Comandante Fidel Castro. It will also resist this
offensive, orchestrated from abroad.

The Cuban people are a conscious, participating, revolutionary people.
They defend the Revolution, which is their own and which they build
every day. Once again, they will know how to rise to the challenges.
Always and increasingly with our solidarity – for the end of the
blockade, for the right to sovereignty, for cooperation between peoples,
which Cuba exercises every day.

Cuba will win and with it we will win!

CALL FOR PARTICIPATION IN THE ACTION OF SOLIDARITY WITH CUBA ON JULY 15
«NO TO THE US BLOCKADE! CUBA WILL WIN”

Cuba has resisted for more than 60 years the blockade imposed by the US,
the greatest economic and military power in the world.

Repeatedly condemned by the overwhelming majority of countries
represented in the United Nations General Assembly – as happened once
again last June – the economic, financial and commercial blockade
against Cuba seriously undermines the rights of the Cuban people and the
development of their country.

During the Trump Administration, even in the face of a serious global
pandemic, the US stepped up the criminal coercive measures against Cuba
– which the Biden Administration maintains – and increased the
destabilising actions directed against Cuba’s sovereignty and the rights
of its people.

Cuba is an example of courage and dignity, sovereignty and popular
participation!

Cuba is an example of solidarity and international aid, particularly in
the health and education sector!

Despite the blockade, Cuba produced the first Latin American vaccines
against Covid-19!

It is necessary to denounce the hypocrisy of those who, like the US, are
trying to stifle Cuba’s economy and impose difficulties on the Cuban
people!

No to the policy of interference, no to the US blockade against Cuba!

Cuba needs our solidarity!

Cuba is not alone!

Cuba will win!

The promoting organisations:

Portugal-Cuba Friendship Association

CGTP-IN General Trade Union Confederation of Portuguese Workers

Portuguese Council for Peace and Cooperation

-/-

«NÃO AO BLOQUEIO DOS EUA! CUBA VENCERÁ»

A solidariedade com a Revolução e o povo cubanos fez-se ouvir bem alto
no dia 15, junto à Embaixada daquele país em Lisboa. Na
concentração, promovida pelo CPPC em parceria com a CGTP-IN e a
Associação de Amizade Portugal-Cuba (a que se juntaram outras
organizações), denunciou-se o bloqueio e a instrumentalização dos
problemas por este causados para desestabilizar Cuba e abrir caminho a
novas e mais graves ofensivas contra a sua soberania e as condições de
vida do seu povo.

Nas intervenções de Gustavo Carneiro (CPPC), Libério Domingues
(CGTP-IN), Eduardo Fonseca (AAPC) e Simão Bento (da Associação
Projeto Ruído) valorizou-se a solidariedade que Cuba presta aos povos
de todo o mundo, nomeadamente mas não só no plano da assistência
médica, e rebateu-se as mentiras veiculadas pela generalidade da
comunicação social, que chega ao ponto de mostrar imagens de outros
países como se fossem de Cuba ou de propositadamente confundir
manifestações massivas em defesa da Revolução como se se tratassem
de protestos.

«Cuba Sim! Bloqueio Não» e «Cuba Vencerá» foram algumas das
palavras de ordem entoadas.

INTERVENÇÃO DO CPPC

Cuba não está só! Como poderia estar só um povo e uma Revolução
que tanto deram e dão aos povos do mundo? Como poderia estar só quem
durante as últimas seis décadas fez da solidariedade, da amizade e da
cooperação o dia-a-dia da sua política externa? Que o digam os povos
de Angola e da África do Sul, cuja liberdade e independência foram
defendidas e alcançadas com a ajuda determinante de Cuba; que o digam
os milhares de venezuelanos e bolivianos alfabetizados por professores
cubanos, os filhos de camponeses e operários, tantos netos de escravos,
que na ilha socialista se fizeram médicos, cientistas, engenheiros; que
o digam os habitantes da Serra Leoa, da Libéria, da Guiné Equatorial,
que durante as graves epidemias de Ébola tiveram ao seu lado os
médicos cubanos, e apenas eles; ou os italianos que no pico da epidemia
de COVID-19, e face ao colapso do seu sistema de saúde, contaram com a
intervenção rápida, eficiente e decisiva do Contingente Médico
Cubano Henry Reeve. Que o digam os revolucionários do mundo inteiro,
perseguidos nos seus países e que ali encontraram sempre um acolhimento
solidário e um local a que puderam chamar casa. E tantos outros
exemplos que poderíamos dar…

Não, Cuba não está só, nunca estará só!

Cuba vencerá! Aliás, Cuba vence todos os dias, desde que há mais de
60 anos ousou trilhar um caminho soberano, digno e corajoso. Antes da
Revolução de Janeiro de 1959, Cuba era um imenso bordel, um enorme
casino, onde se divertiam milionários e mafiosos norte-americanos.
Hoje, é um país livre, com elevados índices de desenvolvimento
humano, de fazer corar de vergonha muitos países ditos desenvolvidos.

Em Cuba, e contrário da maioria dos países da América Latina e das
Caraíbas, ninguém dorme na rua, não há crianças a catar lixo para
sobreviver, a saúde é para todos, a educação é generalizada, a
infância e a velhice são protegidas: a esperança de vida à nascença
é das maiores do mundo, a medicina é altamente desenvolvida (pese
embora as enormes carências provocadas pelo bloqueio), a taxa de
formação universitária é impressionante.

Como é evidente, nada do que aqui se acabou de dizer oculta as
dificuldades e as carências, provocadas por um bloqueio económico,
comercial e financeiro – ilegal, imoral e criminoso que dura há 60
anos – a que acrescem os efeitos da pandemia. Um bloqueio que pretende
matar à fome um povo como forma de punição colectiva, como arma
política. Um bloqueio que transforma a aquisição de aspirinas,
ventiladores ou máscaras cirúrgicas numa autêntica epopeia; que
encarece significativamente o abastecimento de combustível, que impede
o acesso de crianças cubanas a medicamentos ou tratamentos médicos.
Sim, o bloqueio mata e os criminosos têm nome: o imperialismo
norte-americano, as sucessivas administrações – incluindo as de
Trump e de Biden – e os que o apoiam!

Já vimos este filme antes e conhecemos o seu desfecho. Sabemos bem o
significado da falsa ajuda humanitária e libertadora dos Estados Unidos
da América. Sabem-no ainda melhor os povos do Iraque e da Líbia, que
eram Estados com elevados índices de desenvolvimento e que depois dessa
mesma dita ajuda, dessa mesma libertação, hoje confrontados com a
pobreza, a miséria, a ausência de direitos. Conhecem-no bem demais os
povos do Brasil, do Chile, da Argentina, da Bolívia, do Paraguai, das
Honduras, da Nicarágua, que não esquecem os tempos da sinistra
Operação Condor, das torturas, dos assassinatos, dos milhares que pura
e simplesmente desapareceram, mas também do neoliberalismo selvagem que
se seguiu e da devastação social que provocou. Tudo apoiado, preparado
e organizado pelos Estados Unidos da América.

Ou, mais recentemente, os golpes no Paraguai, na Bolívia, no Brasil,
nas Honduras, o bloqueio à Venezuela, a desestabilização na
Nicarágua. Para o imperialismo norte-americano, a América Latina é o
seu pátio das traseiras, é sua propriedade.

O guião é sempre o mesmo: aperta-se o cerco económico, cavalgam-se as
dificuldades por este causadas, manipula-se a informação e,
apresenta-se a dita solução – o golpe, a intervenção humanitária,
a invasão. Sempre mas sempre embrulhado em belas palavras – a
democracia, a liberdade, os direitos humanos, precisamente aquilo que
brutalidade da ingerência e da agressão desrespeita e violenta.

Cuba resiste há mais de 60 anos ao bloqueio dos EUA, derrotou invasões
mercenárias, enfrentou atos de terrorismo, sabotagens e mil e uma
provocações, desmantelou inúmeras tentativas de assassinato dos seus
dirigentes, em particular do Comandante Fidel Castro. Resistirá também
a mais esta ofensiva, orquestrada a partir do exterior.

O povo cubano é um povo consciente, participativo, revolucionário.
Defende a Revolução, que é sua e que constrói todos os dias. Saberá
uma vez mais estar à altura dos desafios. Sempre e cada vez mais com a
nossa solidariedade – pelo fim do bloqueio, pelo direito à soberania,
pela cooperação entre povos, que Cuba exerce todos os dias.

Cuba vencerá e com ela venceremos!

APELO À PARTICIPAÇÃO NA AÇÃO DE SOLIDARIEDADE COM CUBA NO DIA 15 DE
JULHO «NÃO AO BLOQUEIO DOS EUA! CUBA VENCERÁ»

Cuba resiste há mais de 60 anos ao bloqueio imposto pelos EUA, a maior
potência económica e militar do mundo.

Reiteradamente condenado pela esmagadora maioria dos países com assento
na Assembleia Geral das Nações Unidas – como voltou a acontecer no
passado mês de Junho –, o bloqueio económico, financeiro e comercial
contra Cuba atenta gravemente contra os direitos do povo cubano e o
desenvolvimento do seu país.

Durante a Administração Trump, mesmo perante o grave quadro pandémico
mundial, os EUA reforçaram as criminosas medidas coercivas contra Cuba
– que a Administração Biden mantém –, e incrementaram as acções
desestabilizadoras dirigidas contra a soberania de Cuba e os direitos do
seu povo.

Cuba é um exemplo de coragem e dignidade, de soberania e participação
popular!

Cuba é um exemplo da solidariedade e ajuda internacional, nomeadamente
no sector da saúde e educação!

Apesar do bloqueio, Cuba produziu as primeiras vacinas latino-americanas
contra a Covid-19!

É necessário denunciar a hipocrisia daqueles que, como os EUA, tentam
asfixiar a economia de Cuba e impor dificuldades ao povo cubano!

Não à política de ingerência, não ao bloqueio dos EUA contra Cuba!

Cuba precisa da nossa solidariedade!

Cuba não está só!

Cuba vencerá!

As organizações promotoras:

Associação de Amizade Portugal-Cuba

Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical
Nacional

Conselho Português para a Paz e Cooperação




Source: Wpc-in.org